Assessora de Ana Hickmann deixa a UTI

2705201616

Fonte: O Tempo

A assessora da apresentadora Ana Hickmann, Giovana Alves de Oliveira, deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Giovana foi baleada no último sábado (21), por um homem que invadiu o quarto onde ela estava em um hotel de Belo Horizonte, acompanhada do marido, Gustavo Henrique, e de Ana Hickmann.

Nesta quinta-feira (26), ela usou sua conta no Instagram para publicar um agradecimento pelas mensagens que recebeu após o incidente e para informar sobre seu estado de saúde. “Já estou no hospital de SP, saí da UTI, e preciso ainda de alguns cuidados especiais, mas o pior já passou, graças a Deus”, escreveu.

Giovana está internada no hospital Sírio-Libânes, em São Paulo, para onde foi transferida nessa quarta-feira (25), após quatro dias internada no Hospital Biocor, em Nova Lima, na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com o boletim médico, ela está internada na Unidade Semi-Intensiva, para continuidade do tratamento. O estado de saúde é estável e ela apresenta boa recuperação.

 Relembre o caso

Segundo versão da polícia, Rodrigo Augusto de Pádua, de 30 anos, invadiu o quarto onde estavam a apresentadora, Giovana e o marido dela, Gustavo Henrique Bello, no último sábado (21).

Lá, o homem manteve todos sob a mira de um revólver. Durante o tempo em que esteve na suíte, Pádua xingou a artista e atirou. Após os disparos, o fã e o cunhado de Ana entraram em luta corporal. Durante a briga, Bello baleou o homem por três vezes, sendo duas na nuca e uma no braço.

O disparo que atingiu Giovana Alves de Oliveira era direcionado à apresentadora da Rede Record, de acordo com o advogado da família, Maurício Bemfica.

“Os tiros foram dados de cima para baixo e eram para a Ana. Ela, inclusive, estava com dificuldade de audição depois do atentado, porque uma das balas passou muito perto da cabeça dela”, afirmou o defensor.

Daniel Nepomuceno confirma retorno de Maicosuel

2705201615

Fonte: O Tempo

Emprestado ao Al Sharjah-EAU no meio do ano passado, o meio-campista Maicosuel retorno ao Atlético no início de julho para reforçar o Galo no Campeonato Brasileiro e, posteriormente, na Copa do Brasil.

Quem confirmou a informação foi o presidente atleticano Daniel Nepomuceno antes da partida contra o Grêmio na noite desta quinta-feira, no Independência.

“Maicosuel volta. Estamos bem servidos nessa posição (meia). Foi uma pena o Cadu (Carlos Eduardo) ter machucado. Mas se for para procurar não vai ser para o meio que vou procurar não”, afirmou
Nepomuceno, que ainda comentou mais sobre a possível contratação de um meia.

“A maioria é especulação. Estamos bem precavidos com isso. São contratações pontuais. Se ocorrerem vão ocorrer nisso, aproveitar bem o atleta, que ele tenha um contrato livre e queira jogar no Atlético. O que eu vejo nestas semanas é que parece que o Atlético não tem jogador nenhum. Vai ser um ponto ou outro bem discutido com o Marcelo”, completou.

Maicosuel seguiu para o Al Sharjah em julho do ano passado por empréstimo de pouco menos de um ano, com os árabes pagando 2 milhões de euros. O clube do Oriente Médio, porém, não quis valer a prioridade de compra que tinha por contrato – teria de pagar 2,5 milhões de euros para ficar com o jogador em definitivo.

Dívida. A diretoria atleticana indicava internamente que iria usar o dinheiro ganho com Maicosuel para o pagamento de dívidas pontuais com alguns clubes, como o Al-Gharafa-CAT que cobra a dívida pela venda de Diego Tardelli, cifra que já gira em torno de 3 milhões de euros e é contestada na Fifa.

Coelho exibe duas facetas diferentes na temporada

2705201614

Fonte: O Tempo

Até agora, o América não mostrou ser um time com “cara” de Série A. Na maior competição nacional, é necessário uma regularidade para almejar os primeiros lugares ou, no mínimo, demonstrar um desempenho positivo dentro de casa para não correr o risco de cair para a Segunda Divisão. E o Coelho ainda não se enquadra em nenhuma dessas categorias. Por enquanto, nesta temporada, o alviverde tem mostrado duas facetas: uma equipe competente em disputas mata-mata, mas bastante aquém no sistema de pontos corridos.

Basta analisar as campanhas dos comandados do técnico Givanildo Oliveira para constatar esses rótulos destinados ao América em 2016. O time caiu na fase inicial da Primeira Liga por não ter obtido uma boa pontuação. Com quatro pontos, terminou em terceiro lugar do grupo C, que teve o Flamengo como único classificado.

Na primeira etapa do Mineiro, o Coelho brigou até a última rodada para conseguir a quarta e última vaga nas semifinais. Só que, a partir daí, o alviverde exibiu sua faceta de “equipe de decisão” ao superar seus dois maiores rivais, o Cruzeiro, nas semifinais, e o Atlético, na final.

Na Copa do Brasil, que, assim como as semifinais e a final do Mineiro, é realizada no sistema de mata-mata, o América também vem dando alegrias a seu torcedor. O Coelho está invicto e, depois de passar por Red Bull Brasil-SP e Bahia, irá encarar o Fortaleza, na terceira fase.

Já no Brasileiro, o América volta a demonstrar sua irregularidade das fases classificatórias do Estadual e da Primeira Liga. Com apenas um ponto conquistado em três partidas realizadas, sendo duas em casa – derrota para Fluminense e empate com Vitória – e uma longe de seus domínios – revés para a Chapecoense –, o campeão mineiro está na zona de rebaixamento e necessita de, na sequência da competição, desfilar nos gramados o futebol apresentado em mata-matas se quiser manter o sonho de permanecer na Série A.